AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Pilotos de “drones” começam a levar multas no Brasil

Usuários precisam conhecer as legislações, inclusive para aeromodelos
Voar Aeronaves Remotamente Pilotadas, conhecidas popularmente como “drones”, sem autorização dos órgãos de controle pode gerar multas que vão de R$ 3.200,00 a R$ 40.000,000.
A Junta de Julgamento da Aeronáutica (JJAER), do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), iniciou a a aplicação de sanções administrativas para os pilotos que desrespeitam as regras de acesso ao espaço aéreo brasileiro. Onze casos já foram analisados e julgados.
De acordo com o comunicado do Comando da Aeronáutica, “as sanções aplicadas têm como objetivo mitigar as iniciativas ilícitas, a fim de manter a segurança aplicada no acesso ao espaço aéreo por aeronaves tripuladas e não tripuladas”.
“O Estado Brasileiro encontra-se em destaque ao nível internacional, no que se refere à regulamentação para as aeronaves não tripuladas. Dessa forma, o trabalho do DECEA visa à manutenção dos níveis de segurança já aplicados, além de fomentar a evolução deste novo setor, ao ser aplicado em operações não recreativas e proporcionar as melhores condições para a prática do aeromodelismo”, destacou o Chefe da Divisão de Coordenação e Controle do Subdepartamento de Operações do DECEA, Tenente-Coronel Jorge Vargas Rainho.