AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

L-39 consegue exportações aos 50 anos

Foto: Tobias Tvrdík

Tendo voado pela primeira vez em 1968 e entrado em serviço com a antiga Tchecoslováquia em 1972, o L-39 Albatros mostra a validade de renovar projetos. Em dezembro, o governo de Gana assinou aquisição de seis unidades. A venda se une às futuras entregas da República Tcheca – país onde ficou a Aero Vodochody – para o Senegal, com quatro unidades; e Vietnã, com doze.

Esse renascimento do L-39 se explica pela sua versão NG. O antigo modelo dos tempos do comunismo ganhou um novo motor Williams FJ-44 4M, uma total renovação de sistemas e um cockpit completamente digital, incluindo um sistema de mira no capacete para os dois tripulantes. A manutenção também ficou mais fácil, e a empresa garante que os custos de operação são próximos aos de um turboélice. As vendas também podem incluir um sistema de treinamento com equipamentos de solo, com uso de realidade virtual e de inteligência artificial.

O L-39NG, além de mais rápido e com maior alcance que o L-39 tradicional, também ampliou a capacidade de ataque leve, com mais dois cabides para armamentos sob as asas. A capacidade bélica fica em 1.200 kg, com bombas, foguetes e um pod para uma metralhadora calibre .50.

Esquadrilha Breitling
Foto: Lukasz Golowanow

O L-39 tradicional teve mais de 2.900 unidades produzidas entre 1971 e 1996, estando ainda em serviço em dezenas de países, a maioria do antigo bloco comunista. Porém, hoje são encontrados em países como França e Estados Unidos tanto em esquadrilhas de demonstração aérea quanto empresas privadas de treinamento.