AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

China apresenta novo porta-aviões com capacidade para lançar caças com mais carga bélica

Fujian é a província chinesa mais próxima de Taiwan, país insular a 128 km da costa da China e até hoje considerado por Pequim como uma província rebelde. A partir de hoje (17 de junho), Fujian também é o nome do Type 003, novo porta-aviões apresentado em Xangai em uma festa de grande pompa. A entrada em serviço deve ocorrer em 2024, após período de testes.

Não é apenas o terceiro porta-avões chinês. É o primeiro com sistema de catapulta, o que permitirá o lançamento de aeronaves mais pesadas, ou modelos semelhantes com uma maior carga bélica. Os J-11 Flying Shark, versão navalizada do Flanker, hoje em uso no Type 001 Liaoning e Type 002 Shandong decolam com apoio de uma rampa, havendo limitação de peso máximo.

J15 Flying Shark, atualmente em uso nos porta-aviões da China

A catapulta também permitirá o lançamento de novos modelos, como o avião-radar KJ-600, comparável ao E-2 Hawkeye, e o futuro jato stealth J-31 Gyrfalcon, da mesma categoria do norte-americano F-35. Há indicativos de que não se tratam de catapultas a vapor, e sim do tipo eletromagnético, comparável ao disponível nos porta-aviões mais modernos dos Estados Unidos. Ainda assim, há análises que apontam a possibilidade de serem apenas duas unidades, contra quatro dos modelos da US Navy. O número de elevadores para acesso ao hangar também seria menor, bem como o próprio convés.

O Type 003 Fujian é também o primeiro porta-aviões de projeto efetivamente chinês. O Type 001 foi inicialmente construído na União Soviética como “Riga”, sendo posteriormente rebatizado como “Varyag” e vendido pela Ucrânia para a China em 1998, que concluiu a sua construção. Já o Type 002, apesar de inteiramento projetado e construído na China, é baseado no Type 001.

Com 300 metros de comprimento e um convoo com aproximadamente 78 metros de largura, estima-se um deslocamento total do Fujian de até 90 mil toneladas, estando mais próximos dos porta-aviões da classe Nimitz (100 mil toneladas) do que do francês Charles de Gaulle (43 mil toneladas) ou dos britânicos HMS Queen Elizabeth e HMS Prince of Wales (72 mil toneladas). Há fontes que qualificam o Fujian como o primeiro “super porta-aviões” construído fora dos Estados Unidos.

A construção teria sido iniciada em 2015 e faz parte dos planos de expansão da Marinha Chinesa.