AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

E175 e Phenom 300 salvam Embraer em ano de pandemia

Foto: Eric Salard

O ano de 2020 foi ruim para a Embraer: ao todo, a fabricante brasileira entregou 68 jatos a menos que em 2019. Porém, o desempenho só não foi pior por conta de dois modelos com bom sucesso no mercado. Dos 44 jatos comerciais entregues em 2019, 32 foram do tipo Embraer 175. Já entre os 86 executivos, 50 foram Phenom 300.

No caso particular do Phenom 300, uma marca exemplar foi alcançada: 2020 foi o nono ano seguido em que o Phenom 300 foi líder na categoria de jatos executivos leves, segundo números da General Aviation Manufacturers Association (GAMA). O Phenom 300 já acumula mais de 590 entregas desde que entrou em operação em dezembro de 2009.

Já na aviação comercial, o Embraer 175, com 32 entregas, superou de longe o E190-E2 (4 unidades), o E195 E-2 (7) e o E190 (1). De todas as aeronaves comerciais atualmente da atual linha de produtos da Embraer, o E175 é o mais popular do mundo, com 666 unidades entregues até o fim do ano passado e mais 132 pedidos firmes em carteira. O E190 registra 565 unidades entregues. Em termos de encomendas, estão acertadas também a comercialização de três E190, sete E190-E2 e 139 E195-E2.

Segundo os dados divulgados sobre 2020, a empresa teve uma receita líquida de R$ 19,6 bilhões, uma queda de 10% frente ao ano anterior. Isso não foi o suficiente para ter o lucro: houve um prejuízo líquido de 2,3 bilhões de Reais. A variação cambial ajudou ao resultados não serem ainda piores. Em 2020, o setor de aviação comercial representou 29,6% da receita da empresa. A aviação executiva respondeu por 28,5% e o setor de defesa ficou com 17,6%. Os trabalhos de serviços % suporte acumularam 24% da receita.