AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Em queda livre na área civil, Boeing se destaca no setor militar

image_pdfimage_print

O ano de 2020 foi terrível para a Boeing. Ao longo de 12 meses, a fabricante entregou 157 jatos comerciais. Em comparação, a Airbus completou 566 jatos no mesmo período.

Em 2019 a Boeing já vinha com resultados negativos por conta da crise do 737 Max, tendo sido entregues 380 aviões civis. O último ano positivo foi 2018, com 806 entregas registradas.

LEIA TAMBÉM: Airbus entrega 444 jatos Neo mesmo na pandemia

O que salvou a Boeing foi o bom desempenho de aeronaves militares. Ao longo de 2020 foram entregues quatro caças F-15 e vinte F-18 Super Hornet. Para se ter uma ideia, a francesa Dassault comemorou ter entregue treze Rafales em 2020. Também foram produzidos catorze KC-46, quinze P-8, 19 AH-64 e 27 CH-47. Outros 52 AH-64 e 3 CH-47 foram reconstruídos nas linhas de montagem.

O setor de aeronaves civis, porém, apresenta duas notícias positivas. A primeira foi liberação dos voos do 737 Max. A segunda é houve uma aceleração das linhas. Dos 157 jatos civis entregues em 2020, 59 (37%) foram somente nos últimos três meses do ano.

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Lançamento! ASAS 115

O Voo do Impossível

Parceiros