AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

EUA querem vender drones armados para a Ucrânia

O governo dos Estados Unidos planeja vender quatro drones MQ-1C Gray Eagle para a Ucrânia. As aeronaves podem ser usadas com mísseis Hellfire. A informação é da agência Reuters, que se baseou em fontes anônimas e adiciona que a venda ainda pode ser barrada pelo Congresso.

Caso se concretize o negócio, isso significará que um produto norte-americano, produzido pela empresa General Atomics, poderá começar a ocupar um espaço agora dominado por modelos concorrentes, como o turco Bayraktar-TB2. Também representará um salto de capacidade operacional, já que o MQ-1C voa por mais tempo e mais longe, além de levar armamento mais potente, no caso, até oito mísseis Hellfire. O MQ-1C pode decolar com até três vezes o peso máximo do TB-2.

Além da aprovação do Congresos, haveria ainda dois desafios. O primeiro seria o treinamento. Em geral, a conversão operacional dos controladores desse tipo de drones leva meses, mas já há um planejamento para isso ser feito em semanas. O segundo é a necessidade de uma segunda aprovação para a venda dos mísseis Hellfire.

O MQ-1C entrou em serviço em 2009 e tem como principal usuário o US Army, que já usou o modelo no Iraque, Síria e Coreia do Sul. Nenhum outro país recebeu o Gray Eagle até o momento e o Pentágono desenvolve constantes melhorias, como um sistema que permite fazer o controle final dos ataques por um tablet nas mãos de um militar em solo, na linha de frente.

O drone tem autonomia máxima de 25 horas, voa a até 8.800 metros e 300 km/h, tem 17 metros de envergadura e 8,53 metros de comprimento. O peso máximo de decolagem é de 1,6 toneladas.

LEIA TAMBÉM:

Drone armado poderá ser controlado por tablet na linha de frente

USAF testa MQ-9 Reaper com oito mísseis Hellfire

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

NOVA EDIÇÃO DA ASAS!

Carrinho