AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

F-5M: ritmo caiu de de 1 aeronave a cada 2 meses para 1 a cada 2 anos

Foto: Sgt Johnson Barros / Força Aérea Brasileira
image_pdfimage_print

O projeto de modernização dos caças F-5 da Força Aérea Brasileira começou de forma acelerada, mas depois enfrentou uma diminuição forte de ritmo por conta das restrições orçamentárias. A 49ª e última unidade esperada, um F-5FM com matrícula 4810, foi recebida nesta quinta-feira (15 de outubro) durante solenidade realizada na sede da Embraer em Gavião Peixoto (SP).

O primeiro lote foi mais rápido. O primeiro caça F-5 modernizado foi entregue à FAB em 21 de setembro de 2005. Em abril de 2013, menos de oito anos depois, era realizada a entrega da 46ª e última aeronave do primeiro lote. O período total de recebimento do primeiro lote foi de 91 meses. Na média, o ritmo de entregas foi de cerca de uma aeronave a cada dois meses.

Este primeiro acordo havia sido assinado com a Embraer no ano 2000, sendo que durante os cinco anos iniciais houve o desenvolvimento do projeto e os testes de protótipos. À época, o valor do contrato ficou em US$ 285 milhões.

LEIA TAMBÉM: F-5 completa 45 anos de operação na FAB

Segundo lote

Durante a edição de 2011 da LAAD, foi assinado um novo contrato para a modernização de onze aeronaves adicionais. O valor ficou em US$ 87 milhões. Os onze caças foram adquiridos usados da Jordânia, em 2008. Eram oito F-5E e três F-5F. Revisados pelo PAMA-SP, deveriam começar a ser enviados na Embraer em 2012 e serem entregues para a FAB a partir de 2013, logo após o término das entregas do primeiro lote.

À época, houve muitos comentários a respeito desses 11 F-5 adicionais: seriam a solução para o fato de o Mirage 2000 darem baixa em 31 de dezembro de 2013 sem haver perspectiva de substituição. Dessa forma, a frota de F-5 passaria a partir de janeiro de 2014 a ser dividida entre Santa Cruz, Canoas, Anápolis e Manaus.

Porém, o objetivo de ampliar a frota de F-5 modernizados esbarrou nas restrições orçamentárias. As restrições começaram a complicar o projeto a partir daí. Até 2014, somente uma aeronave do lote adicional foi entregue, um F-5FM. Os prazos começaram a ser renegociados de acordo com os atrasos dos pagamentos.

Ao final, foi decidido modernizar somente três aeronaves, todas da versão para dois ocupantes, designada F-5FM. A última foi oficialmente recebida pela Força Aérea Brasileira em 17 de outubro de 2020.

Ao final, se o primeiro lote registrou um ritmo médio de entrega de duas aeronaves por mês entre setembro de 2005 e abril de 2013, o segundo lote teve apenas três aeronaves entregues entre 2014 e 2020, uma média inferior a uma a cada dois anos.

F-5 em manutenção avançada no PAMA-SP

Situação atual e o futuro

Hoje, a FAB conta com 49 caças F-5EM/FM distribuídos por quatro unidades aéreas, variando por grupo de aviação de acordo com a disponibilidade do momento. A partir de 2021, o 1º Grupo de Defesa Aérea, em Anápolis (GO), passará a usar os F-39 Gripen. A frota de 36 aeronaves deverá ser utilizada também pelo Esquadrão Adelphi, atualmente desativado, mas já previsto para reativação com novos caças F-39, também em Anápolis (GO).

Oficialmente, a Força Aérea Brasileira ainda não pensa em um lote adicional do novo caça, se concentrando no cronograma de recebimento das 36 unidades adicionais. A previsão é que mais caças sejam adquiridos para substituir os F-5 de Manaus, Santa Cruz e Canoas, além dos caças de ataque A-1 AMX.

LEIA TAMBÉM: FAB pretende investir na modernização do AMX em 2021

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Novidade! Assine ASAS também na Versão Digital!

Parceiros