AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Governo busca soluções para alto preço do combustível de aviação

Foto: Gazprom

Após a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR) fazer um alerta sobre a disparada do preço do combustível da aviação, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) abriu nesta quinta-feira (21) a possibilidade do uso do querosene de aviação JET-A no país. A expectativa é baixar os custo de operação.

LEIA TAMBÉM: Combustível de aviação tem alta de 91,7% e pode frear retomada do setor aéreo

“A resolução contribui para reduzir custos das empresas de transporte aéreo e ajuda a tornar o mercado ainda mais competitivo no Brasil”, disse o secretário nacional de Aviação Civil do Minfra, Ronei Glanzmann. O JET-A é comercializado em maior escala no mercado internacional.

À semelhança de outros combustíveis, poderá ser produzido nas refinarias do país ou ser importado. As especificações propostas permitem ainda a manutenção do querosene JET-A1, utilizado hoje no Brasil. O objetivo é aumentar a oferta de querosenes, gerando potencial de redução de custos para companhias de aviação e, por extensão, tornar os preços mais competitivos para o passageiro.

Combustíveis sustentáveis

A longo prazo, a retomada da movimentação de aeronaves a patamares equivalentes a antes da pandemia de covid-19 sem impactar negativamente o meio ambiente é o principal desafio da aviação civil. Esta é a avaliação do secretário nacional de Aviação Civil do Ministério da Infraestrutura, Ronei Glanzmann, ao participar do evento Brasil Rumo à Aviação de Baixo Carbono, promovido no dia de encerramento da 5ª edição do Via Viva.

“O setor sofreu bastante com a pandemia, estamos saindo desse período, e agora nós percebemos de fato que o processo de retomada vem com a questão da sustentabilidade. Há a necessidade de se tomar providências com relação à sustentabilidade, com relação ao meio ambiente”, disse o secretário nacional.

De acordo com o secretário, a busca por emissão zero de carbono na aviação é traçada pelos estudos em Combustível de Aviação Sustentável (SAF) e da Corsia, programa da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) para a redução e compensação de emissões de CO2 provenientes dos voos internacionais. “Os combustíveis mais sustentáveis, os SAFs, são na verdade a solução definitiva para isso”, disse.

Glanzmann destacou a parceria com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em pesquisas para elaboração de análises e experimentações nesses combustíveis.