AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Nada de JF-17: Paquistão usou o F-16 para abater MiG-21

Caso confirmado que um MiG-21 abateu um F-16, será a comprovação da eficácia de caças modernizados
image_pdfimage_print

Não há dúvidas de que o Paquistão abateu um MiG-21 Bison indiano na quarta-feira. O piloto até está preso. Mas então a Índia afirmou que, por outro lado, abateu um F-16 Fighting Falcon paquistanês. Então o Paquistão alegou que seus caças F-16 nem participaram do combate, e sim os JF-17 Thunder, fabricados localmente. Pois a versão do Paquistão acaba de ficar sob dúvida.

O Exército Indiano encontrou do seu lado da fronteira os restos de um míssil AiM-120C-5 AMRAAM. A imagem revela inclusive o número de série do míssil, originalmente vendido para a Jordânia e depois repassado ao Paquistão. O fato é que os JF-17 não são integrados aos AiM-120, e sim aos F-16.

Destroços apresentados pelo Exército Indiano não deixam dúvidas de que pelo menos um AiM-120 foi disparado na quarta-feira

Há relatos de testemunhas que dizem ter visto duas aeronaves em chamas no céu e três paraquedas, dois dos quais seriam de um F-16B paquistanês, para dois pilotos e o outro seria do MiG-21 Bison. Tanto o par de paquistaneses quanto o indiano teriam chegado ao solo do lado do Paquistão, por isso o país não revela ter perdido uma aeronave. Chegou-se até a afirmar que os dois jatos derrubados seriam indianos.

JF-17 no Paris Air Show de 2015. Apesar dos esforços, o caça não tem sido um sucesso comercial

Interesse comercial?

A versão paquistanesa da história também pode ter um componente comercial. Anunciar o primeiro abate feito por um caça JF-17 pode ser uma tentativa de colocar em evidência a aeronave fabricada nacionalmente, mas que até agora não tem tido sucesso comercial.

Desenvolvido pela Pakistan Aeronautical Complex (PAC) e a Chengdu Aircraft Corporation (CAC) da China, o caça sequer entrou em serviço na força aérea chinesa. Além das mais de 100 unidades em uso no Paquistão, houve encomendas de apenas 16 para Myanmar e três para a Nigéria.

No ano passado, um JF-17 fez uma demonstração no show aéreo de Radom-Sadku, na Polônia. A proposta apresentada no evento era que o JF-17 seria ideal para substituir os MiG-29 poloneses por menos da metade do preço de um F-16.

O Paquistão não reconhece a perda de um F-16, o seu principal caça de combate

Versão indiana

Por outro lado, segundo a versão publicada nos jornais indianos, o Wing Commander Abhinandan Varthaman e seu ala, ambos a bordo de jatos MiG-21, perseguiram caças F-16 que haviam cruzado a fronteira. Na perseguição, eles acabaram invadindo o espaço aéreo do Paquistão, onde o Wing Commander teria abatido um F-16B utilizando um míssil R-73. Porém, nesse movimento, ele e seu ala acabaram expostos, e um outro F-16 lançou dois mísseis AMRAAM contra o par de MiG-21 indianos. Só um dos dois MiG-21, porém, foi abatido. O outro conseguiu retornar para a Índia.

Apesar de antigos, com as primeiras unidades tendo entrado em operação há mais de 50 anos, os MiG-21 Bison indianos foram modernizados em 2006, tendo recebido mísseis russos R-73 (AA-11 Archer) e R-77 (AA-12 Adder), de curto e médio alcance, respectivamente. Também foi incorporado um sistema de mira montado no capacete e um novo radar.

O Paquistão afirmou estar tratando o prisioneiro de acordo com a “ética militar”. Há a expectativa de ele ser repatriado ainda essa semana.

Garanta já a sua Edição 114 de ASAS!

Promoção Fim de Ano!

Novidade! Assine ASAS também na Versão Digital!

Parceiros