AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Super Tucano perde na Espanha

Foto: Pilatus
image_pdfimage_print

Está assinado. A Espanha encomendou 24 treinadores Pilatus PC-21 para substituir seus antigos jatos C-101. O investimento será de 204 milhões de Euros, incluindo simuladores e suporte logístico. As primeiras seis unidades já serão entregues ao longo de 2020 e o uso operacional começará no próximo ano.

O suíço Pilatus PC-21 derrotou o norte-americano Beechcraft T-6 e o brasileiro Embraer EMB-314 Super Tucano na concorrência. O turboélice assim já tem uma lista de vendas de 235 aeronaves, para nove forças aéreas: Arábia Saudita, Austrália, Catar, Cingapura, Emirados Árabes Unidos, França, Jordânia e Suíça.

O T-6 vendeu para Argentina, Canadá, Estados Unidos, Grécia, Israel, Marrocos, México, Nova Zelândia e Reino Unido. Já o Super Tucano foi escolhido para o Afeganistão (via EUA), Angola, Brasil, Burkina Faso, Chile, Colômbia, Equador, Filipinas, Gana, Honduras, Indonésia, Líbano, Mali, Mauritânia, Nigéria, República Dominicana e Senegal.

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Sobre o autor

Redação

Comentário

  • São aviões diferentes, o Super Tucano, a meu ver, foi concebido para uma aeronave de ataque leve que pode ser utilizada como treinador avançado como é utilizado no Esquadrão Joker em Natal, mas, para uso somente como treinador avançado, é uma aeronave cara, além de não aceitar qualquer erro por parte da pilotagem de um cadete, por exemplo. Acho que a EDS poderia propor um T-29, um super tucano mais simples, para poder participar dessas concorrências. Agora como avião de ataque leve, não tem concorrente!

Clique aqui para comentar

Garanta já a sua Edição 114 de ASAS!

Promoção Fim de Ano!

Novidade! Assine ASAS também na Versão Digital!

Parceiros