AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Veto dos EUA a venda de F-16 pode beneficiar Gripen na Croácia

image_pdfimage_print

Israelenses e croatas já haviam fechado o negócio e preparavam a transferência de doze caças F-16. Porém, a Casa Branca vetou a venda: mesmo que tenham sido adquiridos por Israel, caso o país deseje revender os jatos precisa da aprovação do país de origem. O negócio foi oficialmente cancelado em janeiro do ano passado, e acabou criando uma janela de oportunidade para a Saab, empresa sueca fabricante dos caças Gripen. A Saab anunciou hoje formalmente a oferta de doze Gripen C/D, junto com um pacote de colaboração industrial.

Menos avançados que os Gripen E/F que serão operados pelo Brasil, o Gripen C/D já estão em uso nas forças aéreas da Suécia, Tailândia, África do Sul, Hungria e República Tcheca. Esses dois últimos países, assim como a Croácia, são membros da OTAN.

Foto: Oleg V. Belyakov – AirTeamImages

A proposta da Saab é vender caças novos. Isso porque, apesar o desenvolvimento dos novos Gripen E/F, o C/D continua no portfólio da empresa como opção de custo mais baixo. A Colômbia é outro país que poderá adquirir o Gripen da geração anterior, que ainda mantém capacidades operacionais consideráveis.

Membro da OTAN desde 1º de abril de 2009, a Croácia tem na sua força aérea caças MiG-21 Fishbed, da época da antiga Iugoslávia. Antes disso o país já procurava realizar uma modernização para o padrão LanceR, oferecida por Israel de forma semelhante ao realizado para a Romênia. Porém, o negócio não foi fechado por falta de recursos.

Dos 24 MiG-21 do inventário, só doze continuam voando. A partir de 2017, o programa de substituição teve como competidores o Gripen C/D, o F-16 e o sul-coreano T-50 Golden Eagle, descartado à época por ainda ser um protótipo.

No caso do F-16, houve uma proposta grega por caças F-16C Block 30, mas estes foram considerados muito ultrapassados e com muito uso. Já os Estados Unidos ofereceram F-16 novos, porém foram considerados caros demais.

A solução israelense acabou vencedora. Modernizados para o padrão F-16 ACE, as aeronaves são equipadas com o radar EL/M 2032, incluindo modo SAR. Há também mira montada no capacete, novos painéis multifuncionais e armamentos modernos, como os mísseis Python 5.

A Casa Branca, porém, afirmou que só iria autorizar a venda do caça originalmente fabricado nos Estados Unidos se os israelenses os entregassem no padrão original de fábrica. Isso significaria retirar todas as melhorias implantadas. Os croatas, porém, afirmam que não queriam os caças nas condições antigas. Restou aos israelenses pedir desculpas.

A Croácia chegou a anunciar para agosto de 2020 o anúncio de um novo vencedor, incluindo agora o Eurofighter Typhoon como concorrente. Porém, a pandemia de Covid-19 atrasou o cronograma.

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Sobre o autor

Redação

Comentário

Clique aqui para comentar

Promoção Relâmpago!

Novidade! Assine ASAS também na Versão Digital!

Parceiros