AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

5º KC-390: ganho operacional, queda de ritmo e expectativas cariocas

A Força Aérea Brasileira tem agora cinco aviões KC-390 Millenium em serviço. A quinta aeronave foi entregue no dia 1º de dezembro e deixou três questões no ar: uma positiva, uma negativa e uma que gera expectativas.

O lado bom diz respeito às capacidades operacionais. Com matrícula 2857, o quinto KC-390 deverá ser o primeiro a realizar lançamento de carga e missões de busca e salvamento. Também deverá ser o primeiro no serviço ativo a poder transferir e receber combustível em voo. As aeronaves anteriores terão que ser readaptadas pela Embraer.

A parte ruim é a queda no ritmo de entregas. O quinto KC-390 chega quase um ano após o recebimento do quarto (em 19 de dezembro de 2020). Em novembro do ano passado, durante o Seminário de Defesa Nacional, o então Comandante da Aeronáutica apresentou um cronograma que previa a entrega de três unidades em 2021.

Além de o ano ter se passado com a entrega de apenas uma aeronave, que contou até com a presença do Presidente da República, o fato é que a FAB anunciou a decisão de cortar o número de aeronaves, inclusive com uma inédita possível disputa judicial com a Embraer. Ainda não se sabe como ficará o futuro cronograma de entregas.

LEIA TAMBÉM: Governo quer cortar mais da metade dos KC-390, Embraer não aceita

Por fim, o quinto KC-390 trouxe uma grande expectativa para os cariocas. Apesar de ter sido entregue para o 1º GTT, hoje sediado em Anápolis (GO), o avião trouxe na fuselagem a pintura da “bolacha” do 1º/1º GT. A unidade da Base Aérea do Galeão é a última a operar com os já longevos C-130 Hércules, e deve se tornar operadora dos KC-390, apesar de ainda não haver confirmação de quando isso acontecerá.