AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

“Avião de caça sem armamento só serve para desfile de 7 de setembro”, diz Comandante da FAB

Tenente-Brigadeiro Baptista Júnior, Comandante da Aeronáutica, durante solenidade do Dia da Aviação de Caça

O Comandante da Força Aérea Brasileira, Tenente-Brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Júnior, defendeu a importância de, além de adquirir aeronaves de combate, equipá-las adequadamente para cumprir a missão. “Avião de caça sem armamento só serve para desfile de 7 de setembro”, afirmou nesta segunda-feira (dia 23), durante encontro com os principais órgãos de imprensa. A Revista Asas esteve no evento.

LEIA TAMBÉM: Com orçamento limitado, FAB negocia para manter seus projetos de reequipamento

Em sua apresentação, o Comandante destacou três armamentos já adquiridos pela Força Aérea Brasileira: o Iris-T, o Meteor e o Harpoon. Os dois primeiros foram adquiridos para os caças Gripen, enquanto o último está em serviço com o os aviões de patrulha P-3AM Orion. “Esses são mísseis que fazem a diferença. Que botam medo. Não adianta ter míssil que não faz diferença”, argumentou o Tenente-Brigadeiro Baptista Júnior. A apresentação não incluiu o Piranha nem o A-Darter, mas também exibiu o MICLA-BR, míssil cruzeiro em fase inicial de desenvolvimento.

Caça F-39 da Força Aérea Brasileira. Foto: Johnson Barros

A respeito do Meteor, foi informado de que o primeiro lote já se encontra no Brasil. Na prática, isso significa que tão logo o 1º Grupo de Defesa Aérea atinja a capacidade operacional para missões ar-ar, os caças F-39 brasileiros serão os mais poderosos da América Latina para missões de superioridade aérea. “É o míssil de longo alcance mais moderno do mundo”, salientou o Tenente-Brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Júnior.

LEIA TAMBÉM:

FAB terá melhor míssil ar-ar da América Latina

Brasil estaria comprando 100 mísseis Meteor

FAB anuncia mais um míssil ar-ar para o Gripen

Novo míssil para o Gripen está pronto

Novo míssil ar-ar do Brasil completa testes de voo

Sobre o autor

Redação

Comentários

  • Não adianta só comprarmos esses mísseis, temos que investir em pesquisa e construirmos os nossos . Investimento nas pesquisas em todos os ambitos. Parabéns Brasil

    • Mas enquanto não temos tecnologia temos que comprar o que tem de melhor no mercado. Creio que o Brasil tem trabalhado nesse sentido de ter mísseis com tecnologia própria o que atrapalha infelizmente são os investimentos limitados.

      • É o velha dificuldade q temos, pode-se até desenvolver armamentos modernos, mas nao temos como vender, pois as grandes potencias monopolizam o mercado.

    • Comecemos pela mudança de mentalidade dos dirigentes brasileiros que NÃO prestigiam a indústria bélica brasileira sob a falsa égide de que somos uma nação de paz.
      A Suécia também o é, entretanto projeta e produz praticamente tudo em armas
      Além disso vende mundo a fora gerando divisas para o país e suas pesquisas em qualquer âmbito.

  • O Ciro Gomes apoia fortemente a revitalização e o apoio a indústria de defesa. Tanto para gerar empregos, diretos para profissionais de alta especialização, empregos de nível técnico foras os indiretos. Além disso desenvolvimento de tecnologia de ponta e fortalecer nossa capacidade de defesa e disuação.

  • Pra que compra essa porcarias q não serve pra nada se tiver uma guerra esses aviões grippen só pra gastar dinheiro nos brasileiros estamos sendo enganados um qta absurda gasta com essas sucatas

Clique aqui para comentar

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

NOVA EDIÇÃO DA ASAS!

Carrinho