AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Embraer tem maior valor em pedidos desde 2019

Embraer 190-E2 Foto: Steve Lynes

No terceiro trimestre de 2021, a Embraer registrou o seu maior valor da sua carteira de pedidos firmes, o chamado backlog, desde 2019. A companhia fechou o período com US$ 16,8 bilhões neste indicador. Somente no setor de aviação comercial, compõem o backlog 154 jatos E195-E2, 151 E175, cinco E190-E2 e três E190.

Apesar de ter registrado um prejuízo líquido de R$ 179,7 milhões no trimestre, a Embraer comemorou o fato de que pela primeira vez em mais de dez anos teve fluxo de caixa positivo neste período do ano, historicamente considerado negativo. Em 2020, por exemplo, terceiro trimestre trouxe um prejuízo líquido de R$ 797,5 milhões. Atualmente a empresa tem uma dívida líquida de R$ 9,8 bilhões, mas um caixa de R$ 13,6 bilhões.

A empresa avançou em todas as áreas. Na aviação executiva, o trimestre teve uma receita 17% maior que a reportada no mesmo período do ano passado. Na aviação comercial, o crescimento foi de 33%. O segmento defesa & segurança e o de suporte registraram, respectivamente, ampliações de receita de 10% e 26%. Atualmente, a aviação comercial representa 31,3% da receita total da Embraer, enquanto a aviação executiva responde por 23,2%. O setor de defesa & segurança fica com 16,5% e o de serviços & suporte tem 28,5%. Os novos negócios da empresa respondem, até agora, por apenas meio porcento.

Defesa

A Embraer tem hoje na linha de produção cinco unidades do KC-390 para a Força Aérea Brasileira e um da Força Aérea Portuguesa. Já o programa com a Hungria teve a finalização do processo de revisão preliminar do projeto. Seis Super Tucanos foram entregues no terceiro trimestre, sendo três para a Nigéria e três para um país que exige confidencialidade.

Já o projeto Sisfron, do Exército Brasileiro, também avançou com implantação de uma estação de guerra eletrônica em Barranco Branco, no Mato Grosso, e de quatro novos dos 75 sítios da rede de transmissão de dados contratada. Para a FAB, também foi registrado no trimestre a aceitação da versão atualizada do Sistema de Gerenciamento de
Fluxo de Tráfego Aéreo (SIGMA).