AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Governo vai leiloar o aeroporto da Infraero melhor avaliado

image_pdfimage_print

O Aeroporto Aeroporto Internacional Afonso Pena, a região metropolitana de Curitiba (PR), recebeu a segunda maior nota na pesquisa nacional de satisfação do passageiro e desempenho aeroportuário referente ao 1º trimestre de 2020. Mesmo assim, o aeroporto administrado pela Infraero foi incluído no edital da ANAC para a sexta rodada de concessão de aeroportos para a iniciativa privada. Ao todo, 22 deles devem ser leiloados.

O desempenho do Aeroporto Afonso Pena recebeu a nota 4,68 (a máxima é 5) na pesquisa divulgada pelo Ministério da Infraestrutura. Ficou atrás apenas do aeroporto de Florianópolis, que atingiu a nota 4,72 e é administrado pela Floripa Airport, empresa subsidiária da Zurich Airport.

Agora, a concessão do aeroporto de Curitiba para a iniciativa privada depende da análise do Tribunal de Contas de União, que irá avaliar os os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental aprovados pelo Ministério de Infraestrutura. Os documentos jurídicos foram objeto de consulta pública e receberam 454 contribuições.

O sexto lote de concessões deve envolver os aeroportos de Curitiba/PR, Foz do Iguaçu/PR, Navegantes/SC, Londrina/PR, Joinville/SC, Bacacheri/PR, Pelotas/RS, Uruguaiana/RS e Bagé/RS, formando o Bloco Sul; dos aeroportos de Goiânia/GO, São Luís/MA, Teresina/PI, Palmas/TO, Petrolina/PE e Imperatriz/MA, formando o Bloco Central; e dos aeroportos de Manaus/AM, Porto Velho/RO, Rio Branco/AC, Cruzeiro do Sul/AC, Tabatinga/AM, Tefé/AM e Boa Vista/RR, formando o Bloco Norte.

Juntos, os terminais respondem por 11% dos passageiros pagos movimentados no mercado brasileiro de transporte aéreo. Em 2019, foram 23,9 milhões de embarques e desembarques nos aeroportos dessa rodada. A duração dos contratos de concessão de todos os aeroportos é de 30 anos. Para o Bloco Norte a contribuição inicial mínima prevista é de R$ 38,7 milhões. O valor estimado para todo o contrato da concessão é de R$ 4 bilhões. A contribuição inicial mínima para o Bloco Sul é de R$ 408,2 milhões. O valor estimado para todo o contrato da concessão é de R$ 8,9 bilhões. A contribuição inicial mínima do Bloco Central é de R$ 22,5 milhões. O valor estimado para todo o contrato de concessão é de R$ 4,9 bilhões.

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Garanta já a sua Edição 114 de ASAS!

Promoção Fim de Ano!

Novidade! Assine ASAS também na Versão Digital!

Parceiros