AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Uruguai ganha capacidade de reabastecer caças em voo

Foto: Força Aérea do Uruguai
image_pdfimage_print

Capacitados para a missão graças a treinamentos com as forças aéreas da Argentina e do Brasil, os pilotos dos jatos de combate A-37B Dragonfly do Uruguai agora poderão contar com a capacidade de reabastecimento aéreo nacional. Isso porque chegaram ao país nos últimos dias 18 e 21 de dezembro os dois KC-130H Hércules adquiridos usados da Espanha.

Fabricadas em 1975 e 1976, o par de KC-130H passou por uma modernização nos anos 2000 que incluiu a troca dos comandos na cabine, com a adoção de um conceito de Glass Cockpit e de um piloto automático. A expectativa uruguaia é poder voar 17 mil horas com cada aeronave ao longo de 35 anos, uma média superior a 500 horas anuais.

LEIA MAIS: Uruguai agora tem Lei do Abate, mas faltam caças

Porém, o apoio aos caças não será a única missão. Os dois KC-130H vão substituir os C-130B fabricados na década de 60 e comprados pelo país nos anos 90 para missões que vão do apoio de tropas de forças de paz à operação antártica. Uma das duas já estava fora de condições operacionais, o que justificou o investimento de 22 milhões de Euros no par de aviões espanhóis. Não houve recursos suficientes para a compra de material novo, com as aeronaves KC-390 Millenium, fabricadas pela Embraer.

Já a Espanha se desfez de um total de dez cargueiros KC/C-130H: além dos dois para o Uruguai, um outro par foi vendido para a força aérea do Peru e outras seis para a empresa Blue Aerospace. Agora, as missões de transporte serão realizadas pelo Ejército del Aire com os Airbus A400M Atlas.

LEIA MAIS: Força Aérea Uruguaia: pequena, mas bem treinada

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Lançamento! ASAS 118! Garanta já a sua na pré-venda!

O Voo do Impossível

Parceiros