AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Aeroporto do Guarujá poderá receber Boeing 737 e Airbus A320

image_pdfimage_print

O Aeroporto Civil Metropolitano do Guarujá (SP), na Baixada Santista, poderá receber aeronaves do porte do Boeing 737-700, Airbus A320 e Embraer 195. É este o planejamento da Infraero, que assumiu neste mês a gestão do aeroporto, que compartilha a infraestrutura aeroportuária com a Base Aérea de Santos.

Pelos próximos 12 meses, a empresa será responsável pela gestão aeroportuária e operacional das instalações, com o objetivo de adequá-las para o recebimento de voos comerciais regulares. O contrato foi assinado no dia 30 de maio pelo prefeito de Guarujá, Valter Suman; e pelo superintendente do Aeroporto de Congonhas, João Márcio Jordão, que representou o superintente de Negócios da Infraero, Francisco Nunes.

A Infraero providenciará a homologação e cadastro do aeroporto como aeródromo civil público para que ele possa aprimorar seu perfil para atendimento de demanda, além de ter condições de pleitear recursos federais para investimento. “Assim, a Infraero poderá oferecer um serviço mais aprimorado para aviação geral e, gradativamente, os ajustes e melhorias possibilitarão futuras operações de voos comerciais regulares ligando Guarujá a outras regiões do País ”, explica o superintendente de Negócios da Infraero, Francisco Nunes.

A volta de empresas aéreas, por sua vez, poderá ocorrer na segunda fase do contrato, quando a Infraero deverá viabilizar a certificação operacional do aeroporto para aeronaves comerciais regulares de menor porte, como o ATR-72. “Em seguida, com o amadurecimento das atividades e da demanda, teremos a terceira etapa, que contempla os planejamentos de melhorias na infraestrutura para aperfeiçoar a certificação do aeroporto para receber aeronaves maiores, como o Airbus A320, Boeing 737-700 e Embraer E-195. Com isso, poderá haver um maior desenvolvimento da integração de modais para passageiros e cargas”, avalia Francisco.

Além desses trabalhos, a Infraero também ficará responsável por outros serviços importantes do aeroporto, como vigilância (patrimonial, controle de acesso e predial); proteção da aviação civil; limpeza e conservação de áreas comuns; manutenção das edificações e áreas operacionais; além de assumir despesas de água, luz e telefonia necessárias ao funcionamento do aeródromo.

Exploração comercial

Entre as atividades previstas no contrato entre a Infraero e o Município de Guarujá está a exploração comercial das atividades relacionadas ao aeroporto. Para isso, a Infraero usará sua expertise para prospectar negócios para o terminal e suas áreas externas. “A expertise de uma rede de aeroportos bastante diversificada como a da Infraero será aplicada em Guarujá. Assim, haverá a prospecção de empreendimentos que, saindo do papel, poderão contribuir para uma retomada da economia e, consequentemente, para a arrecadação municipal”, afirma o superintendente de Negócios Comerciais em Aeroportos da Infraero, Bruno Basseto.

Dados sócioeconômicos

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Região Metropolitana da Baixada Santista, composta por nove munícipios (Guarujá, Santos, Bertioga, Cubatão, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande e São Vicente), reúne uma população estimada de 1,86 milhão de habitantes, o que equivale a cerca de 4% da população estimada do estado de São Paulo. Além disso, o aeroporto está na a região do Porto de Santos, maior complexo portuário da América Latina e responsável por quase um terço das trocas comerciais brasileiras, que segundo a Santos Port Authority (SPA), gera cerca de 33 mil empregos para a Baixada Santista, além de ter uma área de influência na economia que envolve 17 estados e o Distrito Federal.

Visite a loja da Editora Rota Cultural e veja nosso acervo de
livros, edições da revista ASAS e produtos ligados à aviação!

Sobre o autor

Redação

Comentário

  • As três aeronaves jatos citadas na matéria são de categorias totalmente diferentes. Se o aeroporto será homologado para o Airbus A320 ou o novo A320-NEO, aeronaves de 175 ou mais lugares, evidentemente o Boeing 737-700 de 146 passageiros também pode operar assim como, o Embraer E195 de 118 lugares e o novo E195-E2 de 135 passageiros.

    Há fortes indicativos que atualmente a pista MODERNA, BÁSICA e MÍNIMA tem em torno de 2.300 x 45m e resistência para 95 toneladas ou superior para atender as cidades médias e de alto potencial de tráfego. A pista do Guarujá tem hoje 1.390 metros

    Cito a recém-inaugurada pelo Governo Federal em setembro na cidade de Vitória da Conquista–BAHIA de 2.200 x 45m e 90 toneladas ou Jericoacoara–CEARÁ 2.200 x 45m, a extensão (em preparo e andamento) de pista em Porto Seguro–BAHIA de 2.000 para 2.300 (2.300 x 45m) ou ainda a em projeto de Maragogi-ALAGOAS de 2.200 x 45m. Todas prevendo receber sem restrições de operacionais o Airbus A320-NEO e Boeing B737-MAX, 175-220 passageiros dependendo da versão e configuração adotada pela empresa que serão 90% da frota nas aéreas nacionais.

    Mantendo-se uma linha regular com turboélice de 70 lugares já está ótimo!!! Discurso é só especulação e no Brasil esse planejamento pode levar 15 anos até a sua concretização de fato.
    Saudações e bons voos,

Clique aqui para comentar

Garanta já a sua Edição 114 de ASAS!

Promoção Fim de Ano!

Novidade! Assine ASAS também na Versão Digital!

Parceiros