AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

FAB articula para “blindar” orçamento do KC-390 e do Gripen

A Força Aérea Brasileira está empenhada em garantir o orçamento para os projetos de aquisição dos cargueiros KC-390 e dos caças Gripen. Para mostrar na prática a importância dos programas, o Estado-Maior levou para a fábrica da Embraer, em Gavião Peixoto (SP), o “Zero Dois” do Ministério da Economia, Marcelo Pacheco dos Guaranys, e o Secretário de Orçamento Federal, Ariosto Antunes Culau. Os dois fazem parte do corpo técnico que atua diretamente com o Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Os visitantes conheceram o GDDN (Gripen Design and Development Network), local onde trabalham engenheiros para a produção futura da aeronave de caça F-39 Gripen. Também passaram pelo hangar de montagem estrutural, em que é fabricada a asa e a fuselagem da aeronave multimissão KC-390. Depois, seguiram até o hangar de montagem final da aeronave, na qual é realizada a junção das semiasas e asa-fuselagem, bem como a instalação de sistemas elétricos, mecânicos, trens de pouso e dos motores, além de serem realizados diversos testes elétricos e mecânicos. Por fim, as autoridades conheceram o KC-390 que será entregue à Força Aérea Portuguesa.

LEIA TAMBÉM: 1,2 bi para Gripen, 800 mi para KC-390, helicópteros e antiaérea: o pedido de orçamento para 2022

“A nossa ideia foi apresentar para a área econômica e orçamentária do nosso País, os investimentos aplicados em dois grandes projetos a partir das parcerias com a Embraer e a SAAB. Os executivos puderam conferir os esforços da Força Aérea em prol da atividade fim e como o KC-390, um produto brasileiro, está ganhando espaço em Portugal e na Organização do Tratado do Atlântico Norte”, afirmou o Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno. À frente do Estado-Maior, o militar é um articulador com experiência de ter sido o representante da FAB no estado de São Paulo e chefe do centro de comunicação.

LEIA TAMBÉM: FAB vai desistir de parte dos KC-390: faltam recursos

Neste ano, a FAB já amargou o corte da encomenda dos aviões KC-390 e agora parece convencer a equipe econômica de que esse tipo de despesa, na realidade, é um investimento. “Fazer esta visita foi importante porque conseguimos materializar tudo aquilo que já conhecemos em teoria, principalmente em relação ao KC-390. Esse é um caso fantástico do que chamamos de tríplice hélice, quando temos a formação e aprimoramento de engenheiros pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA); a Embraer, desenvolvendo projetos; e a Força Aérea, capitaneando e também comprando um avião projetado. Logo poderemos ver uma aeronave brasileira voando o mundo inteiro, nas Forças Aéreas e na parte civil também”, declarou o Secretário de Orçamento Federal, Ariosto Antunes Culau.