AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Se EUA barrarem F-16, Turquia deve levar jatos Sukhoi

F-16C da Turquia Foto: Robert Sullivan

Após ser expulsa do programa F-35 Lightning II, viver hostilidades contra a Grécia e enfrentar pressões das potências ocidentais, a Turquia fez a solicitação formal aos Estados Unidos para adquirir mais 40 caças F-16. Se a resposta mais uma vez for não, o país já tem uma nova solução definida: deverá adquirir jatos russos Sukhoi Su-35 Flanker ou mesmo o novo Su-57.

A informação é do chefe do setor de indústria de defesa da Turquia, Ismail Demir. A fala ocorreu em um canal de TV curto e foi replicada em meios de comunicação da Rússia.

LEIA TAMBÉM: Cinco países negociam compra do Su-57 Felon

A Turquia foi expulsa do programa F-35 após adquirir o sistema antiaéreo russo S-400, em 2017. Foi o primeiro país-membro da OTAN a adquirir a arma russa, considerada por analistas militares como superior aos modelos vendidos pelas potências ocidentais. Até hoje, o governo dos EUA faria pressão para os turcos abandonarem o material de origem russa.

LEIA TAMBÉM: Turquia preferiu arma russa a caça americano

Agora, o país pretende adquirir 40 F-16 a mais e modernizar pelo menos 80 dos cerca de 230 F-16C e 80 F-16D da sua frota. Há, também, mais 40 caças F-4E Phantom II, modernizados com tecnologia israelense.

A Grécia, país com quem a Turquia vive hostilidades históricas, apesar de ambas serem estados-membros da OTAN, já recebeu aval para modernizar seus caças F-16 para o padrão F-16V Block 72, além de ter adquirido o Rafale e buscar luz verde para o F-35. A Turquia também é banhada pelo Mar Negro, a OTAN atualmente vive tensões com a Rússia, além de fazer fronteira com Irã, Iraque, Síria e com a Armênia e Azerbaijão, paíes que tiveram um conflito armado recente.

LEIA TAMBÉM: Grécia compra mais Rafale