AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

O F-X2 de terra: o novo grande projeto das Forças Armadas brasileiras

Foto: Rafael advanced defense systems
image_pdfimage_print

Qual o melhor caça para a FAB? O norte-americano Super Hornet ou o francês Rafale? Não haveria espaço para os russos MiG ou Sukhoi?! A escolha pelo Gripen, coroando o Programa F-X2, foi acertada?!

Ao longo de quase duas décadas, a escolha do futuro caça da Força Aérea Brasileira gerou um número infindável de reportagens, questionamentos e até “torcidas organizadas” por um caça ou para outro. Não era para pouco: a vitória da empresa Saab gerou um contrato de mais de 39 bilhões de Coroas Suecas (mais que 25 bilhões de Reais, em valores de fevereiro), a expectativa de aquisição mais jatos e a certeza de qual aeronave será responsável pela defesa aeroespacial brasileira nas próximas décadas.

Foto: CHRIS MILES/MBDA

Agora, com a definição dos requerimentos técnicos para a aquisição de um sistema de defesa aérea de área de médio/longo alcance, inicia-se um processo tão relevante quanto o Programa F-X2 – e, talvez, até mais revolucionário, tanto em termos estratégicos quanto doutrinários, para a defesa do país.

Em todo o mundo, o papel de combater invasores do espaço aéreo é realizado não apenas por aviões de caça, mas também por sistemas de defesa aérea. Longe dos grandes conflitos mundiais e com a triste experiência de sofrer ataques aéreos somente durante conflitos internos, como a Revolução Constitucionalista, o Brasil tem mantido uma defesa antiaérea longe das melhores do mundo, superada até pelos vizinhos.

Mas essa situação crítica e, de certa forma, até incompreensível e injustificável, enfim começa a mudar: o Ministério da Defesa quer ampliar a capacidade da artilharia antiaérea brasileira, indo além da chamada “defesa aérea de ponto” ou do conceito de autodefesa. Muda-se o conceito, e isto é revolucionário em termos de doutrina das nossas Forças Armadas, pela primeira vez na História destas adotando-se o conceito de uma defesa aérea de área, capaz de criar zonas onde seja proibitiva a presença de aeronaves inimigas – ou seja, com a defesa antiaérea assumindo um poder dissuasor, que nunca teve antes. E para isso deve ser adquirido um novo sistema de arma antiaérea com capacidades que vão além de tudo o que está em serviço atualmente.

Foto: Exército Brasileiro

A descrição dos requisitos e até a citação do acordo de offset deixam claro: o Brasil deve importar um sistema de origem estrangeira. A partir desta Portaria, deve ser lançada oficialmente uma concorrência para a seleção. Como no programa F-X2 de aquisição de caças para a FAB, mais uma vez devem entrar na balança questões técnicas, operacionais, financeiras, diplomáticas e estratégicas, com a diferença de que, desta vez, as três Forças Armadas deverão trabalhar de maneira conjunta, inclusive para definir a quantidade de sistemas a serem adquiridos.

A reportagem completa está na nova edição da Revista ASAS, disponível tanto em versão impressa quanto digital!

Conheça a história da artilharia antiaérea, as atuais forças brasileiras, o requisito elaborado pelo Ministério da Defesa e as principais opções do mercado.

Sobre o autor

Redação

Comentários

Clique aqui para comentar

Lançamento! ASAS 118! Garanta já a sua na pré-venda!

O Voo do Impossível

Parceiros