AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Taiwan tem 350 caças para se defender, mas EUA barraram a venda de F-35

F-16 de Taiwan

Com a missão de defender o território de Taiwan, a força aérea do país considerado pela China como uma província rebelde conta com pouco mais de 350 caças. Porém, nenhum deles é do modelo que Taiwan tentou adquirir: o F-35 Lightning II, jato hoje vendido para dezenas de nações e com boom de vendas na atualidade na Europa.

Para os taiwaneses, no lugar do F-35, um jato stealth de 5ª geração, em 2019 foi aprovada a venda de 66 caças F-16 da versão V, a mais avançada. Outros 64 F-16 originalmente das versões A/B foram modenizados.

Eram aeronaves remanescentes de um lote de 150 unidades adquiridas em 1992 e entregues até 2001. No início do ano, estavam em serviço cerca de 140 unidades, tanto monoplaces quanto biplaces.

Também estão em serviço 130 caças AIDC F-CK-1 Ching-kuo, desenvolvidos e produzidos nacionalmente. Trata-se de um típico caça de 3º geração, produzido entre 1990 e 2000.

Completam a força de combate 50 Mirage 2000, modernizados para o padrão -5. Sessenta caças F-5 E/F formam uma segunda linha, servindo também como força de treinamento, ao lado dos subsônicos AT-3.

LEIA TAMBÉM:

Taiwan voa futuro substituto do F-5

Começam a faltar peças para os F-5 de Taiwan

China supera Rússia em número de aviões de combate, EUA lideram

Divulgado preço do F-35 para a Alemanha

República Tcheca vai trocar Gripen por F-35