AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

China deve levar contrato de jato LIFT para os Emirados Árabes

Os Emirados Árabes Unidos devem assinar com a empresa chinesa Hongdu a aquisição de 12 unidades do jato leve de treinamento L-15 Falcon. Haverá a opção para mais 36.

Do tipo LIFT, sigla inglesa para Lead-in fighter training (LIFT), o L-15 está na categoria de jatos leves de combate utilizados na formação de futuros pilotos de combate. Por isso, a venda representa uma vitória frente a modelos como o Alenia Aermacchi M-346 Master M346, Boeing/Saab T-7 Red Hawk, KAI T-50 Golden Eagle e Yakovlev Yak-130.

Designado na China com JL-10, o modelo voou pela primeira vez em 2006 e entrou em serviço em 2013. A Zâmbia, nação sob forte influência chinesa, já havia realizado compra de unidades para substiuir seus antigos J-6, versão do MiG-19.

Com dois motores Ivchenko-Progress AI-222K-25 com pós-combustão, o L-15 Falcon chega a Mach 1.4, levando dois pilotos. A capacidade de armas ficaria em 3,5 toneladas, incluindo opções ar-ar e ar-solo.

Nos Emirados Árabes Unidos, contudo, a expectativa é a de que seja desempenhado o papel estrito de treinador para os futuros pilotos de Rafale F4 e, possivelmente, F-35A Lightning II. O início das operações é esperado para 2024.

LEIA TAMBÉM:

China promove drones e jato Lift no Oriente Médio

Treinador tcheco ainda tem mercado

China forma primeiros pilotos em novo supersônico

NOVA EDIÇÃO DA ASAS!

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

Carrinho