AVIAÇÃO COMERCIAL & PRIVADA

Embraer estima mercado de 8.640 jatos e 2.260 turboélices regionais em 20 anos

Foto: Clemens Vasters

Nos próximos 20 anos, em todo o mundo devem ser adquiridos mais 8.640 jatos e 2.260 aviões turboélices para até 150 passageiros. É este o principal mercado comercial da Embraer, que apresentou os números hoje durante coletiva de imprensa realizada no Dubai Air Show. O fabricante brasileiro e seus concorrentes devem lutar por um valor de mercado estimado em US$ 650 bilhões.

O documento Market Outlook identifica tendências que influenciarão a demanda por viagens aéreas e entregas de novos aviões a jato e turboélice de até 150 assentos nas próximas duas décadas. Os resultados são fornecidos para sete regiões do mundo.

A Embraer aponta ainda três tendências: as companhias aéreas irão adquirir frotas com maior eficiência de combustível, em uma crescente preocupação ambiental; a ampla digitalização, incluindo práticas de home office; e regionalização, com relocalização para concentrar a produção e minimizar a interrupção da cadeia de fornecimento.

LEIA TAMBÉM: Embraer lança nova famílias de aeronaves com foco na sustentabilidade

A receita das companhias deve crescer. De acordo com o documento da Embraer, a receita por passageiro por quilômetro (RPK, na sigla em inglês) deverá crescer 3,3% ao ano até 2040. A maior variação positiva ficará no mercado Ásia-Pacífico, incluindo a China, com alta de 4,2%. O menor é o da América do Norte, com 2%.

Por outro lado, a região do planeta onde estão os Estados Unidos deve corresponder a 31,4% do mercado estimado de jatos, com 2.710 aeronaves, acima de Ásia-Pacífico, com 2.160 e a Europa, com 1.770. Por outro lado, em termos de turboélices, a área Ásia-Pacífico ficará à frente, com 900 unidades, à frente da Europa e América do Norte, ambos com 430 turboélices estimados.

Para a versão completa da Perspectiva de Mercado de 2021, incluindo análises e sinopses regionais para cada uma das sete regiões do mundo, visite www.embraermarketoutlook2021.com

LEIA TAMBÉM: Embraer tem maior valor em pedidos desde 2019