AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Porta-aviões brasileiro será transformado em sucata

A12 São Paulo no seu auge operacional, com caças A-4 Skyhawk da Marinha do Brasil e um S-2T Tracker argentino. Foto: Rob Schleiffert

O casco do porta-aviões A12 São Paulo deverá ser retiradao do Rio de Janeiro ainda esta semana, segundo informações do portal Airway. Arrematado por R$ 10,5 milhões em um leilão realizado em março do ano passado, o que resta da antiga nau-capitânea da Marinha do Brasil deve ser levado para a Turquia para ser desmontado.

A retirada do casco encerra um longo período em que o antigo porta-aviões ficou ancorado na base naval da ilha das Cobras. Ainda que oficialmente paralisado desde 2017 e retirado de serviço em 2018, o navio ainda drena recursos da Marinha para ser mantido em segurança.

A despedida final do São Paulo decreta o fim definitivo de qualquer plano de haver um porta-aviões museu no Brasil. Seu antecessor, o A11 Minais Gerais, foi desmontado na Índia.

Um AF-1 da Marinha do Brasil em 2006, quando operou a bordo do porta-aviões A-12 São Paulo Foto: Rob Schleiffert

Também é, até o momento, o fim de qualquer plano de a Marinha do Brasil voltar a operar aviões embarcados. Tendo chegado ao Brasil em fevereiro de 2001, após 38 anos de serviço com a marinha francesa, onde era chamado de Foch, o A12 São Paulo acumulou somente 206 dias no mar, a maioria até 2005, antes de começar a apresentar uma série de problemas técnicos.

Sob bandeira brasileira, o A12 realizou 566 catapultagens de aeronaves, a maioria de jatos A-4 Skyhawk da Marinha do Brasil, além dos Super Etendard e S-2 Tracker da Argentina. Hoje, a Marinha continua a contar com seus A-4, designados AF-1, inclusive com seus aviadores treinando o pouso em porta-aviões.

Foto: Rob Schleiffert

LEIA TAMBÉM:

Embraer entrega último caça AF-1 (A-4 Skyhawk) modernizado à Marinha do Brasil

Marinha recupera equipamento para treinar pouso em porta-aviões

Sem porta-aviões, Marinha treina para operar caças embarcados