AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

F-16 na Colômbia: treinamento ou campanha de vendas?

Foto: Fuerza Aérea Colombiana

Seis caças F-16C/D da United States Air Force estão hoje na Colômbia. Os cinco monoplaces e um biplace chegaram no dia 1º de julho para participarem do exercício Relámpago VI. A presença ocorre no momento em que o caça da Lockheed Martin está em avaliação para se tornar a futura aeronave de combate da Fuerza Aérea Colombiana.

Durante a estadia no Comando Aéreo de Combate Nº 5, em Rionegro, os F-16 vão atuar ao lado dos caças Kfir C10/C12 colombianos, que já tiveram por duas vezes a experiência de atuar na Red Flag, nos Estados Unidos. O avião biplace poderá levar a bordo militares da Colômbia durante os voos.

LEIA TAMBÉM; Colômbia luta para manter Kfir em voo

O país vizinho do Brasil avalia a compra tanto do F-16 usado quando de versões novas. Em ambas as situações, o negócio será intermediado pelo Pentágono, que buscará em Washington a autorização para vender o jato, algo provável, dado o status de aliado da Colômbia, o fato de o F-16 já ter sido liberado para o Chile e a recente aprovação para as Filipinas comprar a versão mais recente, o F-16V Block 72, incluindo radares AESA. Solução semelhante pode ser oferecida a Bogotá.

LEIA TAMBÉM: F-16 e Gripen batalham para conquistar as Filipinas

Entre outras opções estão caças Eurofighter Typhoon, estes provavelmente usados pelo Ejército del Aire, da Espanha; Gripen C ou Gripen E; e os fraceses Rafale. Neste último caso, a venda para a Grécia deixou clara a disposição francesa para entregar jatos que estão na sua própria força aérea para garantir a velocidade do pedido.

LEIA TAMBÉM: Colômbia avalia oferta de 15 Gripen E/F

LEIA TAMBÉM: Colômbia recebe duas ofertas de Eurofighter

A participação em exercício não garante a venda. Em novembro de 2010, a Cruzex Flight, realizada no Brasil, contou com a presença de caças Rafale, da Força Aérea da França. À época, até o então presidente brasileiro apontava o jato francês como futura aeronave da FAB. A Dassault acabou perdendo o negócio.

Sobre o autor

Redação

Comentários

  • Devido a proximidade e parceria entre Colômbia e USA (inclusive com ajuda militar e financeira dos USA) é muito difícil imaginar que o próximo caça colombiano não seja americano.

Clique aqui para comentar