AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Pilotos de caça dos EUA, Reino Unido e Alemanha viraram instrutores na China

De acordo com os jornais alemães ZDF Frontal e Spiegel International, pelo menos três ex-militares da Luftwaffe, a força aérea da Alemanha, trabalham atualmente como instrutores de combate na aéreo na China. Dois deles eram instrutores de Eurofighter Typhoon em seu país e um terceiro tem experiência em caças Panavia Tornado.

A revelação jornalística se junta ao caso de um ex-piloto de AV-8B Harrier do United States Marine Corps e de pelo menos 30 aviadores militares britânicos, ambas as histórias também reveladas pela imprensa de outubro de 2022 para cá. O norte-americano foi preso na Austrália, em uma articulação com o FBI.

A principal motivação para levar conhecimentos à China é financeira: de acordo com a reportagem alemã, a maioria dos pilotos de caça do país se afastam da atividade por volta dos 41 anos e, na inatividade, recebem só a metade do salário original. Neste cenário, acabam atraídos por oportunidades de empresas privadas. O esquema chinês teria sido contratado por meio de empresas de consultoria baseadas em Seychelles, um paraíso fiscal com pouca transparência sobre os negócios assinados ali.

LEIA TAMBÉM:

Aviação naval chinesa no centro da disputa entre jornais da China e do Reino Unido

Satélite flagra base secreta de balões militares na China

China vai iniciar produção de novo motor para seus caças

Caças navais da China prontos para operações noturnas

Em sinal para China, EUA terão base para B-52 na Austrália

China supera Rússia em número de aviões de combate, EUA lideram

NOVA EDIÇÃO DA ASAS!

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

Carrinho