AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Dubai AirShow 2021 foi marcado por caças leves

HAL Tejas da Força Aérea da Índia Foto: Força Aérea da Índia

De olho no mercado formado tanto por países sem recursos para adquirir caças de primeira linha quanto os que procuram jatos de combate leves para complementar a frota, China, Paquistão e Índia deram ao longo do Dubai AirShow 2021 destaque para seus produtos voltados para esse segmento. De estandes movimentados a shows aéreos, as aeronaves foram apresentadas para comitivas tanto do Ocidente quanto do Oriente.

LEIA TAMBÉM: Caças leves disputam mercado de até 1.000 unidades no mundo

LEIA TAMBÉM: China forma primeiros pilotos em novo supersônico

No caso chinês, o L-15 Falcon é apresentado como o melhor treinador avançado do mundo. Durante a feira aeroespacial, o caça supersônico apareceu configurado tanto para missões ar-ar quanto ar-solo, numa tentativa de atrair países com pouco orçamento que necessitam reforçar a capacidade de combate. O baixo custo foi ressaltado a todo instante. Os chineses chegaram até a sugerir que o L-15 seria adequado como um treinador para o norte-americano F-16. Até o momento, porém, apenas a Zâmbia fechou negócio, em 2014.

Apresentação do L-15 durante a feira Dubai AirShow 2021.
Foto: Marina Lystseva/TASS

Outra estreia no Dubai AirShow foi o Tejas, da Índia. Com interesse da Malásia e do Egito, a aeronave ainda não conquistou exportações, mas demonstra um nível tecnológico na sua versão Mk2 comparável a jatos avançados. As demonstrações aéreas impressionaram pela manobrabilidade da aeronave e causaram até o ódio nas redes sociais, sobretudo de contas vinculadas ao Paquistão, inimigo histórico dos indianos.

LEIA TAMBÉM: Índia recorre a motor norte-americano para seus caças Tejas

Outro motivo é que os paquistaneses também tiveram ali o seu concorrente direto, o JF-17 Thunder. Com orçamento pré-aprovado pela Argentina para a compra, além de vendas já concluídas para Myanmar e Nigéria, o modelo é, pelo menos segundo o comercial, tão capaz quanto um F-16C, mas por um preço mais baixo.

JF-17 no Paris Air Show de 2015. Apesar dos esforços, o caça não tem sido um sucesso comercial

Mas há limitações. Por exemplo: mesmo o Block III do JF-17 não conta com um sistema de busca por infravermelho (IRST) e não há definição se o motor de série será o WS-13 chinês ou o RD-93 russo. A promessa de um radar tipo AESA ainda também não se confirmou.

LEIA TAMBÉM: F-16, Kfir, F-1, Mirage 2000, JF-17…. Os caças que a Argentina NÃO comprou

LEIA TAMBÉM: Paquistão lança JF-17 Thunder de geração 4.5

LEIA TAMBÉM: JF-17 abateu um MiG-21 e um Su-30 em 50 segundos?!

LEIA TAMBÉM: Nada de JF-17: Paquistão usou o F-16 para abater MiG-21