ARTE, CULTURA & LAZER AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA DOS ARQUIVOS DE ASAS

No Dia das Mulheres, conheça a Madame MiG

Cento e dois recordes mundiais, 5.600 horas no céu, 40 aviões e helicópteros diferentes pilotados, doutorado em engenharia e 15 livros publicados, incluindo uma coletânea de poemas. Por tudo isso, neste Dia das Mulheres, vale conhecer a vida de Marina Lavrentievna Popovitch, uma das mais famosas pilotos femininas da URSS do pós-guerra, também conhecida como Madame MiG.

Popovitch, cujo nome de solteira era Vassilieva, nasceu em uma família de músicos. No entanto, desde a infância, que coincidiu com os anos de guerra, ela sonhava com a aviação militar: “Éramos constantemente bombardeados. Foi quando eu vi os horrores da guerra… Lembro-me de como os nazistas estavam atirando em aviões e perseguindo uma garota, que carregava água em baldes, era assustador… E eu queria ser piloto, pensando que só um avião poderia perseguir esses nazistas de distância. O tempo passou… Enquanto fui crescendo, a guerra acabou, os nazistas se foram, mas a vontade de aprender a voar ficou.”

Marina Lavrentievna sentiu as dificuldades de perseguir seu sonho quase de cara – com um metro e meio de altura, não obteve permissão para ingressar no aeroclube. “Minhas pernas não conseguiam alcançar os pedais”, lembrou, mais tarde. “Então, estabeleci uma meta para mim mesma: esticar as pernas. Peguei equipamento de escalada e comecei a me exercitar pendurada de cabeça para baixo. Como resultado, ou fiquei mais alta (tinha 16 anos) ou os exercícios ajudaram, mas minha altura aumentou para 1,61 metros e o aeroclube aceitou minha inscrição. No início, aprendi a pular de paraquedas e depois comecei a pilotar aviões.”

No entanto, o aeroclube não era suficiente para a jovem. Ela sonhava em fazer escola de aviação, mas o instituto parou de aceitar mulheres depois do fim da guerra. Popovitch foi ao encontro do marechal Kliment Vorochilov, presidente do Conselho de Ministros da URSS, e o convenceu a dar uma chance a ela. Em 1954, Marina Lavrentievna formou-se com honras na Escola Técnica de Aviação de Saransk como instrutora de voo.

Ainda assim, ela não pararia por aí. À época, entrar na aviação militar a jato era uma tarefa quase impossível para uma mulher, mas Popovitch também não se intimidou. Em 1961, se tornou a primeira piloto de testes de primeira classe da URSS.

Foi então que a jovem, que na época já havia se casado com o cosmonauta Pável Popovitch, decidiu também conquistar o espaço. Embora tenha tido menos sorte desta vez. Marina acreditava que não fora aceita no corpo de cosmonautas, porque não sabia nadar e já era mãe. “Marina, não fique tão apreensiva para ir para o espaço”, o cosmonauta Guêrman Titov a confortou. “Fazemos um breve voo e depois nos sentamos na Terra pelo resto do tempo.”

Mas Popovitch não ficaria sentada sem fazer nada. Em 1964, tornou-se a primeira mulher a quebrar a barreira do som em um jato de combate MiG-21, pelo qual a corajosa piloto foi apelidada de Madame MiG na imprensa ocidental. Na sequência, obteve sucessivos recordes, um após o outro, eventualmente ultrapassando uma centena. Popovitch era capaz de pilotar não apenas caças de alta velocidade, mas também gigantes, como o avião de transporte pesado An-22 Antei.

Marina Lavrentievna se viu várias vezes à beira da morte. “Certa vez, o pós-combustor do meu motor MiG-21 falhou na decolagem… o avião caiu ao decolar, a cabine emperrou. Um milagre me salvou: conseguiram quebrar a janela e me tirar do avião em chamas… No começo não tive medo. Mas, à noite, revivendo a fuga em meus sonhos novamente, gritei. Pela manhã, fui para a unidade médica e, três dias depois, retomei os voos de teste.”

Após se aposentar, Marina Popovitch começou a escrever. Foi coautora de uma dúzia de livros dedicados à aviação, escreveu roteiros para filmes e publicou uma coleção de poemas. Vários de seus trabalhos foram dedicados à ufologia, pela qual Madame MiG era aficionada.

(Texto e fotos do portal Russia Beyond)

LEIA TAMBÉM:

Há 85 anos, Amelia Earhart desaparecia no Oceano Pacífico

Bruxas da noite: as mulheres mais temidas da Segunda Guerra

As mulheres podem ser pilotos de combate?!

Há 82 anos, mulheres estabeleciam recorde na aviação

Mulheres brasileiras estreiam nos drones militares

Britânicos ironizam em comercial sobre mulheres nas Forças Armadas

Mulheres na linha de frente?! Os britânicos dizem sim

Aviadoras grávidas agora podem comandar todos os tipos de aeronaves da USAF

Queen Bess – A trajetória de uma vitoriosa

Cosmonauta russa inspira nova boneca Barbie

A Tenente de Cargil – #SEXTOU!

Equipe 100% feminina controla satélite de GPS

Vamos, filhas altivas dos ares!

Caçadora de nazistas ganha as telas do cinema

NOVA EDIÇÃO DA ASAS!

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

Carrinho