AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Europa terá mais de 600 caças F-35 em 2030

F-35A dos Países Baixos durante treinamento nos EUA. Foto: Jan Dijkstra

Daqui a seis anos, países da Europa terão mais de 600 caças F-35 Lightning II em serviço, um processo de reequipamento que deve modificar o balanço de forças na região. O tema ganhou destaque no início de abril, com a chegada de quatro F-35A da United States Air Force (USAF) à base aérea de Lask, na Polônia, uma movimentação considerada estratégica para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

Até agora, deslocamentos de caças F-35 dos Estados Unidos para países europeus têm significado um reforço das capacidades de defesa. A expectativa, porém, é a de que em breve os próprios países da região terão condições de oferecer o poder dissuasório alcançado com os jatos de quinta geração.

Reino Unido, Itália, Países Baixos, Noruega e Dinamarca já contam com caças F-35 operacionais e estão com encomendas em andamento. Porém, em breve à comunidade de operadores devem se unir Alemanha, Bélgica, Finlândia, República Tcheca e Suíça. A Grécia já escolheu o jato, mas ainda não assinou o contrato de compra.

Os F-35 estão ocupando, sobretudo, o espaço deixado por caças F-16 Fighting Falcon e F-18 Hornet operados desde a década de 80.

F-35B do Reino Unido. Foto: Tim Laurence

LEIA TAMBÉM:

Lockheed vai acelerar produção do F-35 enquanto crescem preocupações com atrasos

Com foco no F-35, Bélgica encerra demonstrações com F-16

Enquanto compra F-35, Suíça cancela shows aéreos por falta de orçamento

Milésimo F-35 enfrenta novo atraso de desenvolvimento

Eurofighter e F-35 operam a partir de rodovias na Finlândia

Tchecos vão trocar o Gripen pelo F-35

Dinamarca decide acelerar troca do F-16 pelos F-35

Caças Gripen e F-35 vão defender juntos o espaço aéreo da Escandinávia

Suécia entra oficialmente na OTAN, encerrando décadas de neutralidade

NOVA EDIÇÃO DA ASAS! PRÉ-VENDA!

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

Carrinho