AVIAÇÃO MILITAR & DEFESA

Copa do Mundo de Asas – Em termos de forças aéreas, Argentina X França é uma disputa desigual

As aeronaves mais modernas em uso pela Fuerza Aérea Argentina são os já ultrapassados A-4 AR. Foto: Fuerza Aérea Argentina

Argentina e França entram em campo neste domingo (18 de dezembro) pela final da Copa do Mundo 2022 para uma disputa acirrada em termos de futebol. Para a alegria dos argentinos, quem disputa o tricampeonato são os times formados por Messi e Mbappé, bastante equilibrados em técnica e em raça. É que se essa partida fosse decidida entre a Fuerza Aérea Argentina e Armée de l’air, os franceses possivelmente ganhariam de goleada. Na realidade, trata-se de uma comparação de um país que militarmente parou no tempo e outro que continua avançando.

Quase 41 anos atrás, quando a Argentina invadiu o arquipélago das Malvinas, os britânicos se apressaram em realizar treinamentos com os Mirage III em uso na Armée de l’air, a força aérea da França, aliada de Londres. À época, ainda que já complementados pelos Mirage F-1 e com a proximidade de entrada em serviço dos Mirage 2000, os Mirage III ainda representavam parte significativa do poder aéreo francês. Do lado Argentino, a ponta de lança também era formada pelos Mirage III e pelo IAI Dagger, basicamente a versão modernizada em Israel do Mirage 5, uma variante do III. A Argentina possuía a mais poderosa força aérea da América do Sul, derrotada pelos ingleses, mas deixando as suas marcas.

O Mirage III entrou em serviço na Argentina em 1972. Modelo se manteve em serviço na França até 1988, e na Argentina até 2015.

Em 2022, a Armée de l’air é outra força aérea. Se em 1982 o Mirage 2000 era só um projeto promissor, atualmente as pouco mais de 90 unidades em serviço já representam a segunda linha da aviação de combate francesa. E são os Mirage 2000 mais modernos: cerca de 30 Mirage 2000 -5, multifuncionais, e 60 Mirage 2000 D, versão biplace especializada em ataque a superfície, mas mantendo a capacidade de combate aéreo. A primeira linha é formada por 90 jatos Rafale, complementados por mais 40 unidades em uso na Marinha.

Do lado argentino, o cenário é de penúria. O número total de jatos supersônicos novos recebidos ao longo das últimas quatro décadas é igual a zero. Depois do conflito, dez Mirage 5 P foram incorporados para repor perdas operacionais, sendo modernizados para o padrão Mara. Já os Dagger também receberam melhorias, sendo redesignados como Finger. Foram adquiridos ainda 19 Mirage III CJ e três Mirage III BJ, usados de Israel, e já tão desgastados que foram aposentados em 1987.

A história dos deltas de fabricação francesa na Fuerza Aérea Argentina acabou definitivamente em 2015, dez anos depois de o Brasil aposentar o modelo. Restaram menos de dez jatos subsônicos A-4 AR Fightinghawk, de um lote de 36 modernizados nos anos 90 com uma versão piorada, a pedido dos ingleses, do radar radar do F-16 A, o APG-66. A Argentina conta ainda com treinadores de fabricação nacional IA-63 Pampa e com turboélices AT-27 Tucano, muitas vezes empregados para tarefas de policiamento aéreo. Depois de ter sido pioneiro da América do Sul em tantas áreas, o país até hoje sequer entrou na arena de combate Beyond Visual Range.

O Mirage 2000 D é uma versão especializada em ataque. Foto: Rob Schleiffert

Enquanto o governo em Buenos Aires ano após ano cria expectativas sobre a compra de novos caças, para depois apresentar a desistência, as forças armadas argentinas apresentam a falência em diversas áreas. A Marinha, que não possui mais submarinos, também não conseguiu colocar em serviço os Super Etendard Modernisées adquiridos usados da França e cobiçados pela força aérea do país.

Por outro lado, a Armée de l’air se moderniza em todas as frentes, com cargueiros A330 MRTT, A400M e C-130 J, aviões de guerra eletrônica, helicópteros avançados e braços aéreos significativos tanto para a marinha quanto para o exército. E a própria força aérea francesa ampliou suas capacidades ao ponto de, em 2020, ter alterado seu nome para Armée de l’air et de l’espace, de forma a marcar a nova arena de atuação, que inclui uma frota de mais de 20 satélites.

Com melhorias constantes, o Rafale forma hoje a primeira linha da força aérea da França. Foto: Jason Smith

LEIA TAMBÉM:

F-16, Kfir, F-1, Mirage 2000, JF-17…. Os caças que a Argentina NÃO comprou

“Novos” caças argentinos ainda não podem voar

Em dez anos, Argentina terá forças armadas renovadas, promete Ministro

Argentina reclama de preço de caça sino-paquistanês

Argentina avalia nova versão do caça JF-17 Thunder

Reino Unido proíbe Argentina de comprar caças FA-50 da Coreia

KC-390 mais distante da Argentina

Força Aérea Argentina recebe primeiro Tucano modernizado

Sheffield: há 40 anos, a Argentina fez o Reino Unido tremer

Argentina foi único país latino-americano na Guerra do Golfo

Argentina oferece jato para baixar preço do gás

França envia seus caças mais avançados para fronteira com a Rússia

França e Reino Unido auxiliam na defesa aérea da Copa do Mundo

França quer nova versão do Rafale

França quer investir 25 bilhões de dólares na compra de novos equipamentos

França compra mais caças Rafale, mas exportações comprometem operacionalidade 

França recebe helicópteros navais de nova geração

França aposenta o Mirage 2000 C

França vai gastar 10 bilhões de Euros em helicópteros da Airbus

França testa o Mirage 2000 D RMV

França treina capacidade de projeção global

NOVA EDIÇÃO DA ASAS!

USE O CUPOM: FRETE GRÁTIS

Carrinho